Inoculação micorrízica e adubação fosfatada na produção de mudas de Amendoim Forrageiro

Do artigo «Inoculação micorrízica e adubação fosfatada na produção de mudas de Amendoim Forrageiro», de Elias Melo de Miranda, Eliane Maria Ribeiro da Silva, Orivaldo José Saggin Júnior, publicado na Revista Ciência Agronômica.

O amendoim forrageiro, pertence ao gênero Arachis. É originário da América do Sul com cerca de 70 a 80 espécies encontradas no Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.

Para avaliar o efeito da micorriza e do fósforo (P) sobre o amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krap. & Greg.), foram estabelecidos dois experimentos em casa de vegetação para comprovar a hipótese de haver benefício da micorrização no crescimento de mudas desta espécie, tanto com propagação por sementes como de forma vegetativa.

 

No experimento I, as mudas foram cultivadas em bandejas com 72 células, preenchidas com solo, em delineamento inteiramente casualizado (DIC) com parcelas subdivididas. Os tratamentos foram constituídos pela inoculação de seis espécies de fungos micorrízicos arbusculares (FMA) nas parcelas e duas formas de propagação nas subparcelas.

No experimento II, estolões foram cultivados em vasos contendo solo de baixa fertilidade tratado com cinco doses de P e inoculados com quatro espécies de FMA mais um controle, arranjados em fatorial 5 x 5, em DIC.

Em ambos os experimentos, os substratos foram previamente esterilizados.

As mudas de amendoim forrageiro são beneficiadas pela inoculação de fungos micorrízicos arbusculares, tanto aquelas originadas de sementes quanto as obtidas do enraizamento de estolões.

As mudas cultivadas em bandejas de isopor e originadas de sementes produziram mais matéria seca do que aquelas obtidas de forma vegetativa e os FMA foram eficientes em promover o crescimento das mudas. Para as mudas originadas do enraizamento de estolões, o benefício micorrízico foi detectado apenas sobre a massa de raízes.

Nas mudas cultivadas em vasos e fertilizadas com P, a magnitude das respostas foi maior mediante inoculação com FMA. A espécie G. clarum foi mais eficiente em condições de baixa disponibilidade de P, enquanto A. morrowiae se destacou nos níveis mais elevados de P.

Há indícios de elevada dependência micorrízica do amendoim forrageiro. O amendoim forrageiro apresenta resposta ao P de pequena magnitude quando não micorrizado e uma forte interação entre o P no solo e a micorrização, com respostas de grande magnitude quando inoculadas com FMA eficientes.